☽★☾ Grimório da Luna

Um blog dedicado a orientação de iniciantes e praticantes solitários da wicca. Blessed be!

Dragões I - Origens e tipos de dragões



  Devo assumir que eu não sou uma especialista nestes seres, mas assim como eu fiz com as fadas quero tratar deles num sentido geral, dando enfâse a este ser e não na religião, tudo que eu vou escrever aqui é proveniente de algumas leituras e conversas com amigos que praticam a magia com dragões, espero que aproveitem os posts dando sequência aos seres misticos.
 
  Dragões podem ser encontrados em quase todas as religiões e culturas ao redor do mundo onde muitas vezes detém significados espirituais importantes. Em muitas culturas asiáticas dragões ainda são reverenciados como representantes das forças primitivas da religião da natureza e do universo. Eles são comumente tidos como possuidores de alguma forma de magia ou outro poder sobrenatural, e são frequentemente associados com poços, chuva e rios. Em algumas culturas acredita-se que eles tenham o poder de falar como os humanos, porém são mais sábios e vivem muito mais tempo. A persistência do dragão é uma prova de que não é apenas um monstro popular, mas também um arquétipo verdadeiro.

Etimologia da palavra
  A palavra "dragão" deriva do grego δράκων (Drakon), "dragão, serpente de tamanho grande, a água-serpente", que provavelmente vem do verbo δρακεν (drakeîn) "ver claramente".

  Na Grécia Antiga a primeira menção de um "dragão" é derivada da Ilíada onde é descrito que Agamenon tem um dragão azul desenhado na bainha de sua espada e o emblema de um dragão de três cabeças em seu escudo, no entanto, a palavra grega usada (δράκων Drakon, drákontos δράκοντος genitivo) também pode significar "cobra".

  δράκων Drakon é uma forma do particípio aoristo ativo do grego δέρκομαι dérkomai = "Eu vejo", derkein = "ver", e originalmente provavelmente significava "aquele que vê", ou "o que pisca ou brilha"

Draconologia
  Draconologia ou dracologia é uma pseudo-ciência que se refere ao estudo de dragões e criaturas afins. As pessoas que estudam os dragões, por vezes, chamam a si mesmos de draconologistas ou  dragonologistas.

   Não há evidências cientificas de que já houve pessoas tiveram a sorte de estar em estreito contato com os dragões e sobreviveram. O conhecimento atual sobre dragões é principalmente especulação ou de caratér religioso, puramente empiristico, no entanto não faltam pessoas que assegurem estabelecer contato com esses seres. As origens que vou citar a seguir foram tiradas de um livro chamado Draco Sapere, existem muitas teorias que apontam a origem, muitas dela inseridas em alguma mitologia, optei por colocar a mitologia num outro post e neste vou me deter a teorias mais cientificas e algumas bem estranhas.

ORIGENS

  Durante a Idade Média nunca ninguém iria querer saber sobre o origem dos dragões. Acreditavasse que eles existiam desde o início da terra. Isso mudou na virada dos tempos modernos.Durante o século 17 cientistas começaram a duvidar da existência real dos dragões, mas admitiram que as criaturas eram, pelo menos, possíveis. Como conseqüência evidências de "falsos" dragões pipocavam nos museus.
  Ao longo do tempo foram dadas inúmeras teorias com hipoteses das origens destes seres, apresentarei as mais comuns e mais pitorescas teorias:

Origem pela putrefação
  Eberhard Werner Happel publicou em 1691 "Relationes Curisosae", uma coleção de curiosidades que relata as histórias usuais de países exóticos, descobertas científicas de diversas disciplinas, bem como descrições de paisagens, seus habitantes e folclore.

   Ele afirma que dragões são monstros ou criaturas milagrosas que não podem advir da cópula ordinária de dois animais comuns de espécies diferentes. Argumentando que é bem aceito que os dragões vivam nas mais remotas habitações, como cavernas, penhascos ou desertos, ele percebeu que as águias, abutres e outras aves de rapina são seus companheiros.

    A teoria dele para a origem dos dragões é a seguinte: esses animais de rapina e lagartos e etc moravam lá antes mesmo antes dos dragões, só que nessas epocas remotas esses animais eram bem maiores (seus ancestrais na verdade). Para esses locais, eles levaram sua presa, cobras, pássaros, coelhos, ovelhas, cães para dilacerar e devorá-los. E lá em cima, nas cavernas das montanhas, as carcaças entravam em decomposição. Como era lá que estes animais residiam, também era lá que eles copulavam, e eventualmente restos de seus sêmens acabavam caindo no solo sobre as carcaças em decomposição.

    Mas com o tempo o sêmen de várias criaturas se misturam e, e finalmente, uma espécie de "putrefação fermentada" daria à luz a um dragão. Logicamente, esse dragão irá mostrar características de todos os animais envolvidos: cabeça e cauda de serpente, asas de um pássaro ou morcego, orelhas de um coelho e as pernas de qualquer tipo de ser.
Particularmente acho essa origem uma das mais pitorescas e impossiveis, mas enfim.

Origem com relação a animais

Aves
Alguns dragões têm atributos próprios de pássaro, tais como penas. Quetzalcoatl, a serpente emplumada maia e asteca é um exemplo disso. Alguns mitos de dragões tem versões alternativas, em que o dragão é um tipo de ave, mostrando como eles são semelhantes em alguns casos. É possível que as últimas aves exóticas tenham sido confundidas com dragões. Como as pessoas não tinha visto tais criaturas antes, eles poderiam muito bem ser interpretado como alguma espécie de criatura mística.

Crocodilos
O tamanho e ferocidade do crocodilo torna o um candidato provável para mitos inspiradores de dragão (o dragão que devorava pessoas). Os tipos mais perigosos de crocodilo são aqueles que comem mamíferos em estado selvagem. Um crocodilo chega a ter três metros de comprimento quando ele começa a caçar mamíferos maiores. Os jacarés são geralmente mais passivos do que crocodilos. Eles raramente atacam a menos que provocados. É possível que o bíblico dragão Leviatã fosse um crocodilo gigante. Para apoiar a teoria, há vários casos da pele de um dragão morto sendo mantido como um troféu, que acabou por ser pele de crocodilo.

Dinossauros
Pessoas em todo o mundo costumavam acreditar que os ossos de dinossauros eram os ossos de um dragão. Embora essas pessoas não tinham idéia da verdade por trás dos ossos, a ligação aos dragões é o mais adequado. Se você acredita que os dragões são carnívoros ferozes ou herbívoros pacíficos eles podem ser um equivalente de dinossauro. No entanto, os dinossauros possuem grandes diferenças dos dragões. Os dinossauros mais inteligentes eram muito menores, isto não suportaria a inteligência que se acreditava ter os grandes dragões. Grandes dinossauros também não podia voar, o que é algo que um bom número de dragões podem fazer. Existem várias histórias modernas sobre os dinossauros ainda estarem vivos, como o monstro de Loch Ness. Se alguns dinossauros ainda estão vivos, e se as pessoas os conheceram, eles definitivamente teriam inspirado histórias do dragão.

Dragão de Komodo
Muitos lagartos inspiraram histórias do dragão. O Dragão de Komodo é o maior. É um tipo de lagarto monitor. Chega a atingir três metros de comprimento. O Dragão tem uma cauda mais curta do que a maioria dos lagartos monitor, por isso tem um corpo muito maior do que um lagarto do mesmo comprimento. Eles vivem nas ilhas de Komodo, Padar e Kintja, e da parte ocidental da Ilha das Flores. Um dragão adulto vai caçar animais, como cabras e porcos. Eles são conhecidos por atacar as pessoas, mas normalmente não os devoram. Os seres humanos são provavelmente apenas muito incômodos para caçar. Dragões de Komodo são nadadores capazes. Talvez seja como eles se espalham entre as ilhas. A água é o elemento antigo do dragão. Vendo os dragões na água deve ter despertado suspeitas naqueles que viram. Os dragões de Komodo também em conformidade com a noção de fogo e dragões tem sua língua sacudindo dentro e fora o que ao longe pode se assemelhar como uma pequena chama.

Origem pelo esperma

  Segundo a teoria de Lhwyd do "Princípio Spermatick" a criação de dragões pode ser explicads pelo fecundação do sêmen do peixe por uma águia ou por um abutre dentro de uma"umidade salina".

“A água contém o semen não só de peixes. Quando se evapora esses semens  não ressecam e morrem, mas são transferidos para um novo meio, o ar. Posteriormente, serão levados novamente para o chão durante a precipitação. Devemos, portanto, não nos espantar com a idéia de que o sêmen de vários animais abunda nas proximidades do ninho de uma águia ou urubu.”

  Porém o sêmen de um único animal não é capaz de desenvolver uma criatura completa, correta. Mas apenas misturado com outros espermatozóides que dará à luz um monstro ou dragão.

  O "Princípio Spermatick" foi apenas um episódio de curta duração na história da paleontologia. No entanto, ele ganhou muita popularidade entre as pessoas comuns, de modo que, por exemplo, em 1734 Zedler ainda pode atribuir a criação de dragões para esta hipótese.

Outras teorias

   O etnólogo Alexander Haggerty Krappe ("La genese des Mythes"), acredita que o mito de dragão originou se quando povos primitivos encontraram grandes esqueletos de dinossauros. Outros Teóricos acreditam que as formas de dragões ainda existem hoje na Terra. O Monstro de Loch Ness é o principal exemplo moderno de um "dragão de água" em potencial.

  Alguns antropólogos admitem que criaturas que cospem fogo são possíveis. Animais com câmaras de gases como o metano e uma forma de esfregar pedras juntos em uma grande moela pode conseguir expirar fogo. Besouros Bombardier, por exemplo, cospem ácido vaporizado de seus abdomens.

TIPOS DE DRAGÕES

  Embora ocorram em muitas lendas em todo o mundo, existem grandes diferenças entre os vários monstros que foram agrupados sob o rótulo de dragão. Alguns dragões podem cuspir fogo ou serem venenosos. Eles são comumente retratados como serpentes ou réptéis eclodindo de ovos e possuem corpos, tipicamente escamosos ou de penas.

 Dragões europeus são mais frequentemente alados, enquanto os dragões chineses semelhantes a serpentes de grande porte. Dragões pode ter um número variável de pernas: nenhuma, duas, quatro, ou mais quando se trata de literatura européia. Vamos examinar os principais tipos de dragões:

Dragões e os elementos


  De acordo com Isidoro de Leville, existem dragões marinhos (anguis), dragões da terra (serpentes), dragões do ar (Dracos) e os draco marinus que são mestres do mar e do ar. Dragões são sempre relacionados com as esferas elementares e além disso, tendem a personificar cada um elemento separado. Essa visão é uma das preferenciais adotadas pelos ramos que utilizam os dragões com conceitos mágicos.

Dragões do Ar
  O elemento Ar governa o quadrante leste do círculo. Seu regente dragão é Sairys (sair' iss), que supervisiona os dragões de brisas e ventos. Sua cor é amarelo puro, que é considerado quente e úmido. As associações positivas do ar são: nascer do sol, primavera, a respiração, otimismo, alegria, inteligência, rapidez mental, renovação. As associações negativas são: a frivolidade, a fofoca, a inconstância, a desatenção,  esquecimento.

  Dragões deste elemento pertence a uma família de seres draconicos cuja subespécie incluem aqueles de vento, tempestade e tempo. Às vezes, eles unem forças com os dragões de fogo e vulcões, mares e outras águas, montanhas e florestas, e caos. Assim como nenhum elemento funciona totalmente sozinho, seja em empreendimentos ou atividades mágicas, dragões elementares  juntam seus grandes poderes para realizar tarefas. Às vezes, há conflito de poderes elementais, produzindo grandes perturbações atmosféricas e ambientais, mas principalmente os elementais trabalham em harmonia. 

Dragões da Terra
  O elemento Terra governa o quadrante norte do círculo. Seu regente é Grael (Graal), que supervisiona os dragões das montanhas, terra, minerais, pedras preciosas, e lunares. Sua cor é verde claro e escuro, é frio e seco. Associações positivas da Terra são:  meia-noite, inverno, respeito, perseverança, responsabilidade, estabilidade, prosperidade, perfeição, propósito na vida. As associações negativas são: falta de vontade, rigidez para alterar ou ver um outro lado de um problema, teimosia, falta de consciência, vacilação. Dragões desse elemento são os mais plácidos, a menos que eles sejam obrigados a suscitar grandes energias disruptivas, como terremotos. A subespécie que pertencem a este elemento são os dragões das montanhas e florestas e as de regiões desérticas e áridas. Como poderia ser fácil de adivinhar, o elemento da Terra, muitas vezes trabalha em estreita colaboração com dragões de fogo e dos vulcões e os de caos e destruição.

Dragões de Vento, Tempo e tempestade
   Dragões do vento, tempestade e do tempo são longos e finos dragões, alguns deles com asas grandes, outros com o Oriental "lump voador" em suas testas. Suas costas geralmente apresentam espinhos. Tendem a ser amarelos pálidos e azuis pálidos, mas mudam na raiva para vermelho-laranja, roxo, ou preto quando eles chamam as tempestades.

   Eles são excelentes auxiliares para controlar os excessos no tempo; que as coisas caminhem em sua vida, especialmente nas áreas de criatividade e os processos mentais; proteção; flexibilidade da mente; abertura a novas idéias; varrer os obstáculos, mais de 10 em um forma dramática. Às vezes estes dragões têm penas que circundam os olhos e pescoço. Um exemplo é o dragão britânico chamado Henham, que foi bem documentado em 1669. Ele foi descrito como tendo cerca de nove metros de comprimento com pequenas asas e olhos bastante curiosos cercados por 'penas'. O dragão Henham fez aparições repetidas a um grande número de observadores por vários anos antes que desaparecesse por completo.


Dragões de Fogo
   O elemento Fogo rege o sul do círculo. Seu regente é o dragão Fafnir, que supervisiona os dragões de fogo e dos raios de sol. Sua cor é o vermelho puro, que é considerado quente e seco. As associações positivas do Fogo são: verão, meio-dia, o sol, o sangue, o entusiasmo, a atividade, a mudança, paixão, coragem, ousadia, força de vontade, liderança. As associações negativas são: ódio, ciúme, raiva, medo, guerra, ego, conflitos. Subespécie da família dragão de Fogo são os de fogo e dos vulcões. Outras subespécie são as de deserto árido e região-dragões, e os de caos e destruição, muitas vezes, trabalham em estreita colaboração com entidades dracônicos de seu próprio elemento. Dragões de Fogo e dragões de fogo vulcânico são todos de tons de vermelhos, laranjas, amarelos. Eles têm corpos pesados
​​e longos pescoços e caudas que mais parecem grandes serpentes. Alguns deles dormem em vulcões adormecidos por longos períodos de tempo antes de tornar-se novamente dragões ativos. Eles são visíveis em incêndios florestais e em grandes incendios. Eles são muito imprevisíveis, instávéis e difícéis de trabalhar. Se não forem devidamente tratados, e somente dentro de um elenco e um círculo fechado, os dragões de fogo irão fazer o que quiserem com um feitiço mágico. Eles vão conseguir o resultado final que você pediu, mas podem "queimar" tudo em seu caminho para chegar lá. Dragões de Fogo e dos vulcões ajudam com a purificação pessoal em todos os níveis do ser: energia, coragem, força para perseguir os objetivos e finalizar projetos, remover obstáculos e barreiras. Esteja muito certo se você quer ajuda deles na remoção de barreiras, pois eles vão passar sobre tudo e todos para alcançar o objetivo. Os resultados podem ser rápidos e difíceis de manusear emocionalmente.


Dragões do Mar e das várias Águas
  O elemento água rege o quadrante oeste do círculo. Seu regente é Naelyan (Unha-yon), que supervisiona os dragões dos mares, nascentes, lagos, lagoas e rios. Sua cor é azul puro e é frio e úmido. Associações positivas são: pôr do sol, Outono, compaixão, paz, perdão, amor, intuição, calma, paz de espírito. As associações negativas são: inundações, tempestades, a preguiça, a indiferença, a instabilidade, a falta de controle emocional e insegurança.
A subespécie do elemento água são os de mares e águas diferentes. Não é raro encontrar esse elemento a trabalhar em conjunto com dragões de vento, tempestade, tempo, montanhas e florestas, ou os de destruição.

  Dragões que vivem nos mares, lagos, rios, lagoas e outros organismos ou água, sejam eles grandes ou pequenos, são basicamente a forma de dragões orientais. Eles são geralmente longos como serpentes, geralmente sem pernas ou asas. Eles são de uma variedade de tons de azul, de prata, azul para verde-azul escuro. Na verdade, suas máscaras cobrem todas as nuances da água em que residem. Todos eles têm uma tonalidade prateada em suas escamas com alguma sombra de azul predominante sobre as escamas da barriga. Eles têm franjas de penas sobre suas bocas e nas costas. Eles têm grandes órbitas oculares definidos em uma cabeça de cobra bastante plana. Estes dragões podem ser muito grandes ou muito pequenos, dependendo de sua morada. Dragões dos mares e águas diversas ajudam com as emoções, seja acalmando ou rompendo uma barreira; calma em todos os níveis do ser e em todas as circunstâncias, a criação de mudanças, especialmente aquelas provocadas por se libertar de pessoas que nos controlam através de nossas emoções.

  Avistamentos destas criaturas são tão bem documentado que se pode desmenitir observações dos céticos que as pessoas estão apenas vendo os golfinhos, lulas, ou outras criaturas de água comuns. Dragões do mar têm sido vistos em todo o mundo, mas especialmente ao largo das costas da Escandinávia, Dinamarca, das Ilhas Britânicas, e América do Norte, bem como em vários lagos, lagoas e rios.Nenhuma outra espécie fora tão bem documentados como os das águas, não só em histórias e mitos, mas nos registros oficiais de vários governos.


Dragões das Montanhas e Florestas
   Dragões das montanhas e florestas têm, geralmente, o olhar do Dragão Ocidental, com corpo mais pesado, quatro pernas, asas enormes, pescoço comprido e cauda. Dragões da montanha são muito mais pesados
​​olhando no corpo do que os das florestas. Dragões das montanhas e florestas ajudam a construir bases duradouras na vida; objetivos de longo prazo, estabilidade, resistência física e mental; responsabilidade e às vezes a força para se levantar sob responsabilidades existentes; prosperidade duradoura e de sucesso que vem através do esforço pessoal e planejamento.

   Dragões da floresta habitam trechos de florestas profundas, bosques, clareiras. Eles gostam do padrão de mudança da luz do sol através dos ramos e folhas. Eles tendem a ficar chateados e, por vezes beligerantes, se as suas florestas são destruídas ou danificadas, sem uma boa explicação. Ambos os dragões da montanha e da floresta tem sido conhecidos por habitarem áreas próximas às cidades humanas e fazendas. Às vezes isso acaba criando um conflito, por vezes não, dependendo do comportamento dos seres humanos. Depois que os cristãos beligerantes ganharam o poder, os dragões foram caçados com grande determinação, até que se retiraram do plano físico.

   Dragões da montanha normalmente são encontrados nas altas montanhas, picos rochosos ou afloramentos robustos. Alguns dos mais velhos demarcaram seus domínios no topo onde o vento e a neve acariciam seus corpos grandes. Dragões de ambas as montanhas e florestas são de tons verdes, marrons e azuis e muitas vezes têm linhas verticais de escamas afiadas para baixo do pescoço e costas.


Dragões de caos e destruição
  Estes dragões representam as correntes de energia negativas necessárias para dissolver problemas e varrer as pessoas problemáticas. São de cores muito escuras: preto, cinza, estanho, ferro, magenta escuro, roxo, vermelhos e verdes tão escuros que parecem preto. Seus corpos são pesados
e enormes, na verdade, eles são os maiores de todos os dragões. Suas largas cabeças em forma de cunha ficam em cima de longos pescoços. Suas caudas serpentinas são farpadas ou com um botão de cravada nas extremidades. Asas enormes carregam os em vôos rápidos.

  Quando os dragões do caos e da destruição fazer mudanças e ajudam em rituais, fazem de tudo em grande forma. Eles passam da sua visão limitada dos acontecimentos, direto ao coração do problema, assim que seja certo que você precisa da ajuda antes de chamá-los. Estes trabalhos dos dragões com recriação de vidas, relacionamentos e carreiras; quebra de barreiras; sorte mudando; grandes mudanças em geral, trabalhos em vidas passadas; adivinhação; o confinamento de inimigos ou qualquer um que vai dificultar-lhe a frente o crescimento ou movimento.

  Embora em geral os dragões eram vistos como trazedores de desastre, dependendo do curso sobre suas ações, os dragões do caos são muitas vezes literalmente presságios de catástrofe. Elas podem ser vistas em áreas de desastres, quando outros dragões criam coisas como grandes tempestades, terremotos ou inundações, mas seu poder está em criar ou precipitar guerras, derramamento de sangue, pragas, e desolação quando os humanos se tornaram as coisas fora de equilíbrio. Infelizmente, parece tomar essas ocorrências para que os humanos queiram encontrar uma maneira melhor de fazer as coisas.

  Embora os dragões do caos e da destruição criem perturbações e transformações completas e renascimentos, eles não são maus. Seu poder de magia é vital para o mago. Eles exigem prudência e cautela, tanto como quando se trabalha com dragões de fogo. Mas se a sua vida e os planos tornaram-se estático, a sua sorte preso em um modo negativo, ou as circunstâncias ou as pessoas estão fazendo você se sentir impotente e sem esperança, então estes dragões vão virar a maré dos acontecimentos. Basta ter a certeza que você está preparado para as mudanças drásticas que virão.Tal como acontece com muitos tipos de dragões, os dragões do caos estão conectados com a morte e renascimento, na verdade, mais do que outros de sua espécie. Muitas vezes, ao montar o dragão em uma tentativa de destruir as barreiras e eliminar os inimigos, encontra-se face a face consigo mesmo - o pior inimigo de todos. Este passeio pode se transformar em um renascimento dramático para o mago se ele está disposto a aceitar o que está sendo mostrado pelo dragão. 

ALGUNS EXEMPLOS DE DRAGÕES
Amphisbaena
 
Descrição: duas cabeças de serpentes com cabeças de dragões em cada extremidade de seu corpo. Seu nome significa "vai ambas as maneiras" em grego como poderia supostamente manter uma cabeça dentro da boca do outro.
Algumas imagens desta criatura o representa como tendo pés, outros apenas como uma cobra. Dizia-se ser uma criatura muito mal.

"A Amphisbaena tem duas cabeças, uma em um local apropriado e um em sua cauda. Ele pode se mover na direção de qualquer cabeça ou com um movimento circular. Seus olhos brilham como lâmpadas. Sozinho entre as serpentes, ela  sai no frio. Isidoro de Sevilha "[7 º século dC] (Etimologias, Livro 12, 4:20):

Amphiptere
 
Amphiptere, Amphithere, ou Amphitere é um termo usado para descrever um tipo de serpente alada sem pernas encontrada em heráldicas européias e, posteriormente, nas modernos livros de ficção cientifica e fantasia.
Famosos: Quetzacoatl, o Dragão de Henham, muitos monstros na mitologia do Egito antigo: Aapep, Mertseger, Buto, Nekhbet.

Dragonet
 
Elemento: Terra
Descrição: Eles são pequenos dragões inferiores a 1,5 m de altura, mas muito ferozes e hostis aos seres humanos. Estes "pequenos dragões" podem ser encontradas nos contos de origem Suíça, durante a Idade Média.
Famosos: os dragões de Wilser que morava no monte Pilatos (Suíça) tinham envenenado sangue e exalado fogo.

Firedrake
 
Elemento: Terra
Origem: Alemanha, Gaule (França)
Descrição: Um dragão com as pernas e sem as asas. FireDrakes tem o fôlego de fogo, e são geralmente de cor avermelhada. Na Europa, muitas cidades foram nomeados após esse dragão: Drakeford, Drakeshill, Draguignan, ...
Lore: Eles costumam viver em cavernas e guardavam grandes tesouros. Eles cuspiam fogo para se defender.
Famosos: Wiglaf, o Firedrake morto por Beowulf

Icedrake
 
Elemento: Água
Descrição: Um dragão com as pernas e sem as asas. Icedrakes exalam neve e granizo e são geralmente de cor branca ou luz de cor azulada. Estes tipos de dragões não voam, eles se parecem com lagartos grandes, tendo cerca de 5-20 m de comprimento. Como os firedrakes, icedrakes manteem hordas de tesouro.

Naga

Não há vestígio de dragões compostos de partes diferentes de animais na Índia. O mais próximo de uma criatura assim é a Naga que herdou muitas características do dragão.
Descrição: Nagas são pseudo-dragões que geralmente são retratados como tendo uma cabeça humana e corpo de serpente.
Origem: A palavra Naga tem suas raízes no sânscrito e significa "Serpente". É uma palavra entre um punhado de palavras raras a sobreviver a perda do primeiro idioma universal. Mesmo no México, encontramos a "Naga" que se torna "Nagal”.
Poderes: Nagas eram patronos da água e das nuvens, mas podem causar inundações ou secas, se perturbados. Em algumas histórias, a naga pode se transformar num humano ou serpente completo.
Símbolo: Na tradição esotérica é sinônimo de Adeptos ou Iniciados. Na Índia e Egito, e até mesmo na América Central e do Sul, o Naga significa aquele que é sábio. Nagarjuna da Índia, por exemplo, é mostrado com uma aura, ou halo, de sete serpentes que é uma indicação de um grau muito elevado de iniciação. Nagarjuna são chamados em tibetano, Lu-Trub.
O simbolismo das sete serpentes, geralmente cobras, também estão em aventais maçônicos de certos sistemas de ruínas budistas do Camboja (Ankhor) e Ceilão. Na China, o Naga recebe a forma do Dragão e tem uma associação direta com o Imperador que é conhecido como o "Filho do Céu", enquanto no Egito a mesma associação significa "Rei Iniciado". Os chineses dizem teriam se originado com as Serpente semi-deuses e até mesmo a falam a sua linguagem, o Naga-Krita.
Nas tradições ocidentais encontramos a onipresença mesmo para o Naga, ou Serpente. Um exemplo simples é a deusa grega, Athena. Ela é conhecida como uma deusa guerreira, bem como a Deusa da Sabedoria, seu símbolo sendo a Serpente como mostrado em seu escudo pessoal. Uma tradição apócrifa diz que Apolônio de Tiana, durante uma visita à Índia, foi ensinado pelos Nagas da Caxemira. A reputação da Serpente para protetora da medicina  e / ou da vida preserveram até os dias atuais, por isso o simbolo da medicina mostra uma serpente.

Ouroboros

Descrição: uma serpente cujo fim é seu começo pois ele come eternamente a sua própria cauda. (Alguns alquimistas a descrevem como um pseudo-dragão por isso está inserido aqui)
Origem: A serpente mordendo a própria cauda é visto pela primeira vez em 1600 aC no Egito. De lá, mudou-se para os Phonecians e depois para os gregos, que a chamaram de Ouroboros, o que significa que devora sua cauda
Famosos: A serpente mordendo sua cauda é encontrada em outras mitologias também. Na mitologia nórdica Jörmungandr circunda o mundo inteiro com seu corpo enorme. Na mitologia hindu, a cobra circunda a tartaruga que suporta as quatro elefantes que transportam o mundo.
Símbolo: a serpente mordendo, devorando, comendo sua própria cauda simboliza a natureza cíclica do Universo: a criação a partir da destruição, a vida da morte. O ouroboros come o próprio rabo para sustentar sua vida, em um eterno ciclo de renovação. É também um símbolo da imortalidade. Sua representação infinita com a cauda em sua boca (Ouroboros), e a renovação constante de sua pele e vigor, animam os símbolos da juventude continuada e eternidade.
Alquimicamente, o ouroboros também é usado como um glifo da purificação. Ele mantém as águas cósmicas sob controle, e é um símbolo da natureza cíclica do trabalho alquímico. É o basilisco, a serpente alquímica.

Tatzelworm
 
Tatzelworms são pequenos dragões registrados na Suíça e Austria. Eles têm uma cabeça parecida com um gato e um corpo longo de serpente que pode chegar até um metro e meio com duas mãos, ou melhor, garras de pequeno porte. Dizem que eles são capazes de saltar a grande distância.

Wyvern
 
Também conhecido como: Wyver, Lindworm, Lindorm, Wouive, Vouivre
Elemento: Terra
Descrição: dragão com duas asas e duas pernas, uma cabeça de serpente e as garras de uma águia. Em imagens modernas, eles podem ter garras nas asas e uma venenosa na extremidade da cauda.
O Wyvern francês conhecido como Vouivre ou Wouive, é retratado com a cabeça e parte superior do corpo de uma mulher voluptuosa com um rubi ou granada entre os olhos que a ajuda a encontrar seu caminho através do submundo.
Origem: do wyvere francês antigo que significa tanto víbora quanto "vida".
Poderess: Simbolos de Wyvern são freqüentes considerados um sinal de força para aqueles que o carregam. Wouive é uma especie de gênio bom que paira protetoramente sobre o campo e mestres das correntes subjacentes da terra. Ele é "o espírito que respira ou inspira." Os antigos representavam essas correntes, que hoje chamamos cósmicas ou magnéticas, por serpentes aladas.
Neverthelessthe Wyvern aparece em alguns contos populares ocidentais como um predador maligno e violento com uma cabeça feroz, asas de morcego e uma cauda que às vezes tem uma cabeça de escorpião  seu final. Estes dragões simbolizam inveja, guerra, peste e agressividade.
Famosos: Marco Polo encontrou e descreveu lindworms ao atravessar a Ásia Central. Eles foram rápidos e poderosos o suficiente para derrubar um homem em um cavalo a galope. O dragão Fafnir da saga Völsunga Norse aparece no alemão Nibelungenlied como Lindwurm que morava perto de Worms

0 comentários: