☽★☾ Grimório da Luna

Um blog dedicado a orientação de iniciantes e praticantes solitários da wicca. Blessed be!

Beltane vem aí - 31/10


   Eu sei que a primeira vista pode parecer estranho a ideia de se comemorar o Beltane no tão famoso Halloween, onde todo o hemisfério norte comemora o Samhain. Mas nós temos que seguir os ciclos da natureza e não datas.
  Beltane, Beltain ou Bealtaine é um festival Celta, reconhecido nas comemorações da Festa da Primavera, mas que originalmente marcava o verão.  O Beltane é o mais alegre dos Festivais Celtas, onde os participantes dançam, e se alegram nas voltas da fogueira. No dia de Beltane o sol está astrologicamente no signo de Tauros, o Touro, que marca a "morte" do Inverno, o "nascimento" da Primavera e o começo da estação do plantio.  Hora de festejar o auge da fertilidade, a harmonia, a sexualidade em sua forma mais pura e bela.
 
Comemoração em um coven: Beltane inicia-se, acendendo-se, segundo a tradição, as fogueiras de Beltane ao nascer da lua na véspera de 30 de outubro (para nós do hemisfério sul) ou 1º de Maio (no hemisfério norte) para iluminar o caminho para o Verão. Realiza-se um ritual em honra à Deusa e ao Deus, seguido da celebração da Natureza, que consiste de banquetes, antigos jogos pagãos, leitura de poesias e canto de canções sagradas. São realizadas várias oferendas aos espíritos elementais, e os membros do Coven dançam de maneira muito alegre, no sentido horário, em torno do Mastro (símbolo fálico da fertilidade). Eles também entrelaçam várias fitas coloridas e brilhantes para simbolizar a união do masculino com o feminino e para celebrar o grande poder fertilizador do Deus. A alegria e o divertimento costumam estender-se até as primeiras horas da manhã, e, ao amanhecer do dia 31, o orvalho da manhã é coletado das flores e da grama para ser usado em poções místicas de boa sorte.

Comemoração de um bruxo solitário: Não obrigatoriamente você deverá comemorar sozinho, se você tiver um amigo que assim como você seja iniciante na arte vocês dois (pode ser até cinco pessoas) podem fazer a comemoração de Beltaine descrita aqui. 
Primeiro a decoração, nos covens é comum todos se reunirem e fazerem as decorações juntos do espaço do coven. O ideal é que o Beltane seja comemorado ao ar livre, num bosque ou onde existam, pelo menos, uma árvore. Se não for possivel você pode colocar uma árvore pequena no espaço onde vocês faram a comemoração. Durante todo o ritual do Beltane é uma tradição de vários wiccanos deixar o caldeirão cheio de água com flores boiando dentro, representando o ventre da grande deusa em fertilidade. Vocês também podem decorar o espaço com flores e frutos da epoca, além de usar incensos florais ou frutais.
A comemoração; os passos pré-rituais vocês já conhecem, mas vale a pena lembrar: primeiro vocês tem que fazer ou trazer uma oferenda para os deuses (pode ser uma guirlanda de flores, um amuleto e etc.). Agora vocês devem arrumar o altar e puficar o espaço do circulo ao redor de alguma árvore, tracem o circulo ao redor da árvore, deixando a como o centro do circulo. Invoque a Deusa e o Deus. De pé, diga, com as mãos erguidas algo mais ou menos assim:

"Ó Deusa Mãe, rainha da noite e da Terra;
Ó Deus Pai, Rei do dia e das florestas,
Eu celebro sua união enquanto a natureza se alegra num ruidoso banho de cor e vida.
Aceitem meu presente, Deusa mãe e Deus pai
Em honra à sua união."

Coloque as oferendas na árvore.

"De sua união surgirá a vida renovada;
Uma profusão de criaturas vivas cobrirá a Terra,
e os ventos soprarão puros e doces.
Ó antigos, eu celebro com Vocês!!"


Se você quiser praticar uma magia ou feitiço simples é a hora de fazê-lo:
Ex. Acenda duas velas, uma representando o deus e outra representando a deusa, e passe entre elas mentalizando energias positivas para se livras de doenças e energias negativas. 
Ao fim, sinta-se conectado com o solo e suas energias e agradeça mais um vez aos deuses que estão permitindo a feritlidade, então celebre um Banquete simples em honra a Beltane (biscoitos e pão de aveia são muito usados, além de vinho branco ou suco de morango e frutas da época). Encerre o ritual como de costume.

O Grande Rito: Acredito que alguns de vocês já tenham ouvido falar nisso e nunca entenderam direito o que era. Nas antigas religiões pagãs durante as fogueiras de Beltane a fertilidade do Deus e da Deusa era encenada por seus sacerdotes, que tomados como o grande Deus e a Grande Deusa representavam sua união sexual fertilizando toda a terra. Claro que essa união era sagrada e muito poderosa, cheia de energia e renovação, pois quem estava ali não era nem o homem e nem a mulher, mas sim a deusa e o deus, a mãe terra e o galhudo. Claro que depois que muitas pessoas começaram a associar esse rito tão puro e significativo com visões deturpadas de orgias e outros pensamentos impuros ele foi parando de ser praticado (em algumas tradições ele ainda permanecesse, porém muito discretamente). Hoje em dia o Grande Rito é representado através do cálice do athame, onde na maioria das tradições a sacerdotisa consagra o cálice colocando nele o vinho e o abençoado como o ventre da grande deusa, em seguida o sacersote introduz o athame representando o falo do grande deus que irá fertilizar o útero da deusa, em seguida todos bebem honrando a fertilidade. 

Expressões pagãs


Para novos adeptos, não só da wicca, como do paganismo em geral as vezes é dificil entender alguns termos e expressões usados por pagãos. Hoje eu vou citar algumas expressões e termos: 

  •  Merry Meet: do inglês literalmente (bom encontro) é usada pra demonstrar a alegria de um pagão ao encontrar outro. Podemos dizer que é o nosso olá.
  • Merry Part: (feliz partida) significa que você tem um bom encontro e deseja que a pessoa siga seu destino feliz. Podemos dizer que é o nosso adeus ou tchau.
  • Merry Meet, Merry Part, Merry Meet again: é usado para demonstrar que você quer muito reencontrar aquela pessoa o mais breve possivel. É o equivalente a até logo.
  • Blessed Be: (abençoado seja), não existe impedimento para que você use a versão em português, mas muitos pagãos preferem usar o original blessed be.
  • Mão de poder: volta e meia você vai encontrar esse termo na descrição de algum feitiço ou ritual, mão do poder é aquela que você usa para externar tudo aquilo que está em seu corpo. ex: a mão que você escreve, escrevendo você está colocando para o mundo o que está em sua cabeça. Então se você é destro sua mão de poder é a direita, se for canhoto é a esquerda e se você for ambidestro basta escolher uma das mãos onde você mais sinta energia.
  • Wiccaning: é um ritual de unção de uma criança pagã. Algo semelhante ao batismo,mas sem prender a criança na religião.
  • Handfasting: é o ritual de casamento pagão.
  • Réquiem: cerimônia pagã de funeral.
 Existem muitas outras expressões e termos, em sua maioria vindos do inglês, mas geralmente o significado literal já esclarece grande parte do significado.

Preparação para um ritual


Nos dois posts anteriores a este eu expliquei pontos importantes para um ritual: o significado da magia e as formas de energia e como criar um espço sagrado ou  circulo mágico. Agora vou dar mais algumas infomações sobre as preparações para um ritual, sendo que as vezes no próprio ritual são necessárias preparações especificas, mas as que eu que colocar podem tranquilamente ser usadas em muitos rituais.

  A primeira coisa antes de se realizar um ritual é escolher o dia, dependendo do intuito do ritual, geralmente os rituais são feitos nos chamados dias de poder (durante os sabbaths e os Esbats), mas se você quiser fazer um em outro dia qualquer vale a pena ver que dia planetário é este e se ele é imbuido de poder para o que você quer alcançar. O mesmo vale para a hora, que deve na maioria das vezes, ser regida pelo horário planetário. Uma vez escolhido o dia e a hora adequadas ao seu proposito é hora de se purificar.
 O ideal é que durante um ritual você não seja interrompido, então se você estiver sozinho desligue o telefone e entre em contato somente com os deuses. Pra se purificar a melhor forma é um banho ritual. Você pode montar seu próprio banho ritual, acenda velas no banheiro, use óleos e sachês de ervas purificadoras, enfim relaxe e se sinta purificado de preocupações e hábitos mundanos. O próximo passo é a escolha da roupa para o ritual.
  Muitos bruxos e bruxas preferem fazer os rituais nus, vestidos de céu como costumam dizer. Mas você pode comprar ou confeccionar um roupão, vestido ou capa para utilizar em seus rituais. Eu recomendaria que fosse da cor preta porque essa cor além de proteger, simboliza a fonte suprema de energia divina. Mas qualquer cor de sua preferência pode ser usada. Muitos wiccanos também possuem as chamadas joias rituais, que são apenas jóias ou bijuterias (de materiais naturais assim como sua veste) para usarem durante o rito.
   Os próximos passos já são o próprio ritual como: a escolha dos instrumentos que serão utilizados, a escolha do lugar, a criação do circulo e o próprio ritual.

Magia e a wicca: conceitos de energia mágica

  
Eu tenho recebido muitos e-mails perguntando sobre como a magia é utilizada na wicca. É normal que iniciantes ou mesmo curiosos tenham muito interesse pois qualquer um sabe que toda bruxa trabalha com magia. A wicca tem na magia um de seus conceitos básicos, ela nos ajuda a melhorar nossa vida e devolver energias ao nosso planeta, também nos permite uma ligação com os deuses. A magia na wicca é definida basicamente, nas palavras de Scott Cunningham, como uma projeção das forças naturais para gerar efeitos necessários. Mas para que essa projeção ocorra é necessário energia.
 Existem basicamente três fontes principais de energia: o poder pessoal, o poder da terra e o poder dos deuses.
  • O poder pessoal é a força vital que sustenta nossas existências terrenas. Ela move nossos corpos. Nós absorvemos energia da Lua e do Sol, da água e dos alimentos. Liberamos essa energia durante os movimentos, os exercícios, o sexo e o parto. Até mesmo respirar libera energia, apesar de recuperarmos o que foi perdido com a inspiração. Na magia, o poder pessoal é gerado, imbuído de um propósito específico, liberado e direcionado ao seu objetivo.
  • O poder da Terra é o que reside no interior de nosso planeta e em seus produtos naturais. Pedras, árvores, o vento, as chamas, a água, cristais e aromas possuem poderes únicos, específicos, que podem ser utilizados durante rituais de magia.
  • Tanto o poder pessoal como o da Terra são manifestações do poder divino. Esta é a energia existente na Deusa e no Deus - a força vital, a fonte do poder universal que criou tudo aquilo que existe. Os Wiccanos invocam a Deusa e o Deus para abençoar sua magia com poder. Durante os rituais eles podem direcionar o poder pessoal às deidades, pedindo para que uma determinada necessidade seja atendida. Isto é magia verdadeiramente religiosa.
  Portanto não existe magia sobrenatural, utilizada por varinhas mágicas e etc. A magia está em tudo, tudo no nosso planeta, inclusive você, é imbuido de poder. O único segredo é saber como direcionar essa energia, esse poder, para um proposito, que é o que fazemos em rituais e feitiços.

Criando o circulo mágico.


 Antes de tudo temos que saber o que é um circulo mágico. Um circulo mágico é um espaço sagrado criado através da vizualização e do poder pessoal do bruxo ou bruxos envolvidos. O circulo  é um ritual muito antigo que viza criar um espaço "entre os dois mundos", criando uma proteção contra forças indesejáveis e um espaço propicio e sagrado para o encontro com os deuses e a manipulação segura de energias.
  O circulo mágico precede a grande maioria dos rituais utilizados na wicca, muitos autores citam maneiras ditas como "corretas" para se lançar o circulo. Eu, pessoalmente, acredito que não exista um forma errada de se lançar o circulo, pois este, assim como os demais rituais e aspectos da wicca, precisam principalmente de fé e personalidade e não de decorar palavras e gestos teatrais. Vocês tem que se acostumar a criar seus próprios rituais, e achar sua própria maneira de lançar um circulo é o começo. Claro que eu não estou dizendo para lançarem um circulo sem nenhum conhecimento, leiam sobre o circulo em livros como os do Scott Cunningham ou da Rae Beth, ou de outros autores respeitados no mundo pagão e montem sua forma de lançar o circulo apenas adptando o que vocês julgam ser certo. Lembre-se que o que os deuses mais apreciam são as práticas feitas de coração e alma.
  Para guiar um pouco mais eu vou citar aqui como eu geralmente lanço os meus circulos, vocês podem adaptar o ritual de vocês da forma que vocês sentirem que devem.

PREPARANDO O ESPAÇO PARA O CIRCULO
 Antes de se lançar um circulo deve-se achar o local mais propicio onde ele deva ficar, alguns wiccanos tem um espaço em suas casas reservados para formarem o circulo, outros preferem sair e lançar seu circulo ao ar livre. Independente de onde você decida lançar o circulo, o primeiro passo é desobstruir o local: fastar os movéis ou tirar pedras e outros obstaculos e etc. Depois você deve montar o altar se já não tivé-lo montado no espaço em questão. O próximo passo é a purificação do local, algumas pessoas gostam de purificar o local com incenso, eu já prefiro utilizar o velho ritual da vassoura. lembra da vassoura mágica? Pois, seu uso é essencial aqui. Você pode, literalmente varrer as más energias do espaço. Como esse é um processo de vizualização a vassoura nem precisa tocar o chão, basta você vizualizar as más energias sendo tiradas do ambiente onde se vai estabelecer o circulo. Nada impede que você utilize outro ritual de purificação.

LANÇANDO O CIRCULO
Delimite a área de seu circulo com giz, barbante ou mesmo velas, se estiver muito concentrado você o visualizará sem ajuda de nenhuma marcação terrestre. Agora marque os pontos cardeais dos elementos com representantes deles (como no altar) ou então com velas de cores que os represente. Agora acenda os incensos ou velas pedidos no ritual que se irá realizar. Alguns wiccanos abrem o circulo com o athame ou a espada, sinceramente eu não acho que isso seja o mais importante. O circulo pode ser aberto até com o seu dedo indicador, não existe problema algum nisso desde que esteja segurando ou apontando com sua mão do poder (a mão que você escreve). Você então aponta (como dedo ou athame ou espada) para o perimetro onde o circulo vai se localizar e começa a traça-lo, no sentido horário, visualizando uma esfera de tom azulado tomar forma. Enquanto você traça o circulo pode dizer algumas palavras como:"Eu crio este espaço sagrado em nome do deus e da deusa para que sirva como elo entre os dois mundos e como proteção para mim." Você deve andar em volta do circulo três vezes repetindo as palavras e visualizando o circulo se tornar cada vez mais forte, assim que acabar diga algo como: "O circulo está traçado, que assim seja!"
Agora você deve evocar os quatro elementos, dirigindo-se a sua respectiva direção e dizendo palavras de evocação aquele elemento pensando em suas caracteristicas próprias e visualizando a chegar em seu circulo. Vá do norte a oeste, no sentido horário, erguendo seu dedo ou athame e evocando.
Terra ao norte
"Terra, que frutifica e gera
Eu invoco sua força neste ritual.
Poderes da Terra
Sejam bem vindos!"  

Ar ao leste
"Ar que sopra a inspiração
Eu invoco sua força neste ritual
Poderes do Ar
Sejam bem vindos!" 

Fogo ao sul
 "Fogo que traz calor e luz à Terra
Eu invoco sua força neste ritual
Poderes do fogo
Sejam bem vindos!" 

Água ao oeste
"Água que lava e purifica
Eu invoco sua força neste ritual
Poderes da água
Sejam bem vindos"
 Claro que vocês mesmos podem criar suas próprias formas de evocação. Depois disso, voltem-se ao altar que deve estar localizado ao centro do circulo, ergam as mãos e evoquem o deus e a deusa. Um exemplo de evocação seria:
"Deusa e Deus.
Invoco sua presença neste ritual.
Estejam aqui e unam-se à mim através de meus atos e pensamentos.
Derramem suas bênçãos sobre este Círculo Sagrado.
Senhora e Senhor,
Sejam bem vindos!"
Mas seguindo o conselho quedei as evocações dos elementos, o ideal é que vocês mesmos criem seus "dizeres de evocação".
Agora o circulo está totalmente pronto para qualquer ritual, basta realizar seu ritual.

DESTRAÇANDO O CIRCULO
  Alguns preferem o termo quebrando o circulo, mas eu o acho um tanto bruto demais, então prefiro o termo destraçar. Primeiro agradeça os deuses pela ajuda e presença, alguns wiccanos gostam de oferecer oferendas como frutas e etc, depois dirijam se aos elementos da mesma forma que os evocaram: indo a sua direção correspondente de norte a oeste. Façam uma pequena reverência e agradeçam aos elementos pela ajuda e presença.
Agora como da forma inicial vocês irão com o athame ou dedo ao norte e começar a destraçar o circulo, visualizando a esfera ficando cada vez mais fina até se dissolver completamente. Enquanto faz isso você pode, como da primeira vez, pronunciar algumas palavras como: "Meu propósito está cumprido. O circulo está aberto, mas não está rompido. Que assim seja e que assim se faça, Blessed be (ou abençoado seja)!
Pronto, você já pode voltar pra sua vida normal.

Consagrando seus instrumentos de trabalho.


 No post anterior eu citei alguns instrumentos indispensáveis para uma bruxa ou bruxo wiccano. Agora uma importante lição: tudo que se usa para determinado fim espiritual tem de ser consagrado. Isso não é só na wicca, lembram do cristianismo e da hostia consagrada?
  Primeiro de tudo, o que é consagrar? Consagrar nada mais é que tornar algo sagrado, dedicar algo aos deuses e prometer seu uso para apenas aquele propósito, que no caso da wicca é fazer o bem. Consagrações são realizadas em todas as religiões, nós wiccanos temos diversas consagrações, mas acho que a primeira e mais fácil que vocês devam fazer é a consagração dos seus instrumentos mágicos. Antes de descrever o ritual eu gostaria de desmentir alguns mitos: 1. Algumas pessoas dizem que se alguém tocar seus instrumentos você perde seus poderes ou então terá que consagrá-los novamente - isso não faz o menor sentido, quer dizer que o deus e a deusa deixaram de proteger e agir por um instrumento só por que ele foi tocado inocentemente por alguém?! 2. Algumas pessoas dizem que o ritual de consagração deve ser feito dentro do circulo mágico - só existe um problema nisso, se vocês não consagraram seus instrumentos ainda como poderam abrir um espaço sagrado com eles?! E outra que não é necessário a criação de um circulo, pois esse circulo (que eu vou descrever em outro post) só é necessário para criar uma atmosfera sagrada para receber energia dos deuses e realizar tarefas mágicas com energia, o que não é feito durante uma consagração.
  Então vamos ao ritual, lembrando que quem tiver um grimório é bom ir anotando:

 RITUAL DE CONSAGRAÇÃO
 Primeiro você deve montar seu altar como descrito num post anterior, tendo os representantes de cada elemento em sua direção correspondente. Antes de consagrar você deve fazer um ritual de purificação dos objetos para extrair qualquer energia negativa que habitasse antes naquele objeto. Para isso basta você queimar um incenso com propriedades purificadoras (eu recomendo: cedro, copal, lavanda, mirra, sálvia branca ou sândalo), então você passe cada objeto cuidadosamente sobre a fumaça produzida pelo incenso. Tente visualizar as energias ruins se dissipando e uma delicada auréa azul se formando sobre o objeto. Pode deixar o incenso queimar até o fim. Você prossegue com o ritual, agora você pega o objeto e o consagra pelos quatro elementos. ex.: você pega seu bastão, suponha que para representar o elemento terra você colocou um vasinho com terra no altar, então você toca o bastão na terra e diz algo mais ou menos assim: “Eu te consagro e abençôo pelo místico e antigo elemento terra. Para que obtenhas dele Suas características de firmeza, materialização e resistência. Que possa ser capaz de direcionar as energias evocadas com fertilidade!” - o ideal é que você crie sua própria frase de consagração ou simplismente se deixe levar pelo seu coração, magia é sentir e não decorar palavras.
  Depois você vai consagrando a cada um dos elementos na ordem: terra, ar, fogo e água. Depois que o instrumento tiver sido consagrado aos quatro elementos, silenciosamente o consagre aos deuses e sopre três vezes sobre ele. Você deve fazer isso com todos os instrumentos, porque como eu disse a consagração é uma forma de proteção de nossos artefatos contra energias negativas. Se esse for seu primeiro ritual, não precisa se preocupar com palavras bonitas e rimas decoradas, preocupe se em sentir as vibrações e fazer acontecer. Mas se preferirem o livro A bruxaria saindo das sombras, tem um ritual muito semelhante a este e alguns livros do Scott Cunningham também apresentam variações. Sintam se livres para fazer os rituais da maneira que acherem ser a mais correta.

Instrumentos mágicos - o que toda bruxa deve ter.

 Eu como uma bruxa natural defendo que o poder e a magia está dentro de você e não nos instrumentos que você usa, claro que eles são muito importantes, mas se você não tiver dinheiro pra comprar um caldeirão tamanho grande, enfeitado com não sei que pedras,  abençoado por não sei quem e não sei mais o que, quer dizer que você não pode praticar? Nada disso, compre o que estiver ao seu alcance. Se não tiver uma loja ou dinheiro pra comparar determinados instrumentos, faça você mesmo os seus, personalise objetos comuns (mas importante: que nunca tenham sido utilizados e que fiquem somente para uso da magia).
 Existem muitos instrumentos na wicca, mais eu vou citar só os mais conhecidos e mais usados, fora estes existem potes de vidro pra colocar ervas, incensário, pilão pra fabricação de pós mágicos e etc. Mas só com o uso vocês vão adquirindo esses instrumentos, os principais além do altar e do grimório (que eu já citei antes) são:


 A vassoura
A resposta é não, nenhuma bruxa voa de vassoura. Isso é uma lenda devido a um antigo ritual onde as bruxas corriam pelos campos com suas vassouras dando saltos até a altura onde suas plantas deveriam crescer. Como quem conta um conto, aumenta um ponto, esse ritual foi descrito na Inquisição como se as bruxas estivesem voando nas vassouras ao encontro do demônio. Bem, agora discriminações e lendas a parte, a vassoura é um dos mais bonitos e simbólicos instrumentos da wicca. 

 Ela representa a união do sagrado feminino e do sagrado masculino, é frequentemente uma figura representante da fertilidade.
As Sagradas Parteiras da Roma Antiga varriam as soleiras das casas das mulheres grávidas, acreditando que assim espantariam os maus espíritos, protegendo as mães e os seus bebês.
Desde essa época, as vassouras tinham seu poder simbólico para questões de limpeza e proteção espiritual. Em algumas regiões da Inglaterra, antigamente, as mulheres deixavam suas vassouras do lado de fora ao ausentar-se de casa.
No País de Gales e entre os ciganos, a tradição determinava que, para selar os casamentos, os noivos deviam pular uma vassoura colocada na entrada da nova casa (Na Wicca, a vassoura faz parte da cerimônia de casamento).
Símbolo do lar, da Deusa e do Deus, a vassoura é um dos instrumentos favoritos dos wiccanos que geralmente a usam para a limpeza psíquica do espaço do ritual antes, durante e após os trabalhos mágicos.
 Existem lojas e muitos sites que vendem vassouras de diversos tipos, mas eu aconselho que vocês façam sua própria vassoura mágica. É bem fácil, por exemplo você primeiro deve procurar algum galho ou parte do tronco de alguma árvore para fazer o cabo e galhos com folhas para fazer a vassoura com propriedades que você desejar, ex. de propriedades de algumas árvores:
Álamo: Proteção.
Amendoeira: Adivinhação. Clarividência. Sabedoria. Dinheiro. Empréstimo. Negócios.
Amoreira: Sabedoria. Adivinhação. O desejo.
Avelãzeira: Adivinhação. Casamento. Proteção. Reconciliação.
Bétula: Proteção. Purificação. Fertilidade. Novos recomeços.
Bordo: Adivinhação. Amor.
Carvalho: Cura. Força. Dinheiro. Longevidade.
Cedro: Prosperidade. Longevidade.
Cicuta: Não recomendada.
Cipreste: Trabalhos de vidas passadas. Proteção.
Coqueiro: Pureza. Castidade. Cura.
Damasqueiro: Amor.
Estrepeiro: Limpeza. Casamento. Amor. Proteção.
Eucalipto: Cura.
Figueira: Fertilidade. Força. Energia. Saúde.
Freixo: Proteção. Magia do mar (quando executando aqueles encantamentos distante do mar).
Laranjeira: Amor. Casamento.
Limeira: Adivinhação. Cura. Castidade. Neutralidade.
Limoeiro: Adivinhação. Cura. Castidade. Neutralidade.
Macieira: Cura. Prosperidade. Amor. Juventude eterna.
Nogueira: Cura. Proteção.
Oliveira: Paz. Frutificação. Segurança. Dinheiro. Casamento. Fidelidade.
Olmo: Proteção.
Palmeira: Força.
Pessegueiro: Amor. Adivinhação.
Pinho: Purificação. Saúde. Sorte. Fertilidade. Prosperidade.
Sabugueiro: Cura. Proteção. Prosperidade.
Salgueiro: Cura. Proteção. Encantamentos. Desejos. Partos fáceis.
Sorveira: Proteção. Força.
Teixo: Não recomendada.
Tília: Proteção.
Zimbro: Proteção.
  E sinta-se a vontade para estilizar sua vassoura com o que quiser, desde que seja natural, nada de coisas sinteticas.


 O bastão
 Alguns preferem o nome de varinha mágica, outros de bastão. Mais a essencia é a mesma: concentrar o poder vindo do corpo. O bastão é um dos instrumentos mais importantes. Tem sido utilizado há milhares de anos em ritos mágicos e religiosos. É um instrumento de invocação. A Deusa e o Deus podem ser chamados para assistirem ao ritual por meio de palavras e de um bastão erguido. Também é por vezes utilizado  para direcionar energia, para desenhar símbolos mágicos ou um círculo no solo, para indicar a direção de perigo quando perfeitamente equilibrado na palma da mão ou no braço de um Bruxo, ou mesmo para mexer um preparado em um caldeirão. O bastão representa o elemento do Ar para alguns
Wiccanos, e é sagrado para os Deuses. Há madeiras tradicionais para a confecção de um bastão, dentre
elas o salgueiro, o sabugueiro, o carvalho, a macieira, o pessegueiro, a avelã e a cerejeira. Alguns Wiccanos a cortam com o comprimento da ponta de seu cotovelo até a extremidade de seu indicador, mas isto não é necessário. Qualquer peça relativamente reta de madeira pode ser utilizada. A consciência (e o marketing) da Nova Era resgatou o destaque dos bastões. Criações maravilhosas de prata e com cristais de quartzo estão à sua disposição numa vasta gama de tamanhos e preços. Certamente, podem ser utilizados em rituais de Wicca, apesar de os de madeira possuírem uma história mais antiga. A princípio, não se preocupe com a busca pelo bastão ideal; ele virá até você. Qualquer madeira que utilizar será imbuída com energia e poder. Encontre uma que lhe seja confortável, e pronto.


Caldeirão
O caldeirão é o instrumento da Bruxa por excelência. É um antigo recipiente culinário, imbuído em mistério e tradição mágica. O caldeirão é o recipiente no qual ocorrem as transformações mágicas; o cálice sagrado, a fonte santa, o mar da Criação Básica. A Wicca vê o caldeirão como um símbolo da Deusa, a essência manifesta da feminilidade e da fertilidade. É também um símbolo do elemento da Água, da reencarnação, da imortalidade e da inspiração. As lendas Celtas acerca do caldeirão de Kerridwen
tiveram grande impacto na Wicca contemporânea. O caldeirão é geralmente um ponto central dos rituais. Durante os ritos da primavera, é por vezes cheio com água fresca e flores; no inverno, acende-se fogo dentro do caldeirão para representar o retorno do calor e da luz do Sol (o Deus) vindo do caldeirão (a
Deusa). Isto está ligado a mitos agrícolas nos quais o Deus nasce no inverno, atinge a maturidade no verão e morre após a última colheita.Idealmente, o caldeirão deve ser feito de ferro, apoiando-se em
três pés e com a boca menor do que sua parte mais bojuda. Pode ser difícil encontrar um caldeirão, mesmo os menores, mas uma busca cuidadosa em geral nos leva a algum tipo de caldeirão. Algumas lojas
por catálogo possuem caldeirões, mas não regularmente. Aconselha-se investigar esses fornecedores.
Caldeirões podem ser encontrados em vários tamanhos, desde aqueles com alguns centímetros de diâmetro até monstros com raio de cerca de meio metro. O caldeirão pode-se tornar um instrumento de  scrying ("tipo de adivinhação por meio de contemplação") ao ser cheio com água e ter seu fundo escuro
observado. Pode também servir como um recipiente no qual preparar as famigeradas bebidas Wiccanas, mas tenha em mente que um fogo forte e muita paciência são necessários para ferver líquidos em caldeirões grandes. A maioria dos Wiccanos utiliza fogões e panelas hoje. Se tiver dificuldade em encontrar um caldeirão, persista e um acabará materializando-se. Certamente, não há mal em pedir para que a Deusa e o Deus ponham um em seu caminho, até lá encontre mesmo que seja uma panela pra servir ao seu propósito.


Athame
A faca mágica (ou athame) possui uma antiga história. Não é utilizada como instrumento de corte na Wicca, mas sim para direcionar a energia gerada durante ritos e encantamentos, seu uso é o mesmo da espada. Raramente é utilizada para invocar ou chamar as deidades, pois é um instrumento de comando e manipulação de poder. É melhor chamar pela Deusa e pelo Deus. A faca é geralmente cega, normalmente de fio duplo e com um cabo preto ou escuro. O preto absorve poder. Quando utilizada em rituais  para direcionar energia, um pouco de seu poder é absorvido pelo cabo - apenas uma quantidade ínfima -, o qual pode ser evocado posteriormente. Do mesmo modo, por vezes a energia gerada em rituais Wiccanos é canalizada à faca para uso posterior. Histórias de espadas com poderes e nomes mágicos são bem comuns na literatura mítica, e espadas são simplesmente grandes facas. Alguns Wiccanos entalham símbolos mágicos em suas facas, mas isto não é necessário. Como em muitos instrumentos de magia, a faca se torna poderosa com seu toque e com sua utilização. Entretanto, se assim desejar, entalhe palavras, símbolos ou runas em sua lâmina ou cabo. Uma espada é por vezes utilizada em Wicca, pois possui todas as propriedades de uma faca, mas pode ser de difícil manuseio em rituais internos devido a seu tamanho.Graças ao simbolismo da faca, a qual é um instrumento que causa mudanças, é comumente associada ao elemento do Fogo. Sua natureza fálica a associa ao Deus.


Bolline
A faca de cabo branco (por vezes chamada de Bolline) é simplesmente uma faca prática, de trabalho, ao contrário da puramente ritualística faca mágica. É utilizada para cortar galhos ou ervas sagradas, inscrever símbolos em velas ou na madeira, cera ou argila, e para cortar cordas a serem utilizadas em magia.
Normalmente possui cabo branco para distingui-la da faca mágica. 


O Cálice
O cálice é apenas um caldeirão apoiado num pé. Simboliza a Deusa e a fertilidade, e relaciona-se ao elemento da Água. Apesar de poder ser usado para conter água (a qual está constantemente presente no altar), pode também conter a bebida ritual a ser sorvida durante o ritual. O cálice pode ser feito de praticamente qualquer material: prata, bronze, ouro, barro, pedra-sabão, alabastro, cristal e outros materiais.


Pentagrama ou pentáculo
O pentagrama consiste, normalmente, em uma peça plana de latão, ouro, prata, madeira, cera ou cerâmica, com alguns símbolos inscritos. O mais comum, e sem dúvida o único necessário, é o próprio pentagrama, a estrela de cinco pontas que vem sendo utilizada em magia há milênios. O pentagrama foi "emprestado" da magia cerimonial. Nesta antiga arte, era geralmente usado como um instrumento de proteção, ou uma ferramenta para evocar espíritos. Na Wicca, o pentagrama representa o elemento da Terra, enquanto está no altar e na forma de uma espécie de prato, e é um instrumento adequado à consagração ritual de amuletos, talismãs ou outros objetos. É por vezes utilizado para chamar pelos Deuses e pelas Deusas.
Pentagramas também costumam ser pendurados sobre portas e janelas para agir como protetores, ou ser manipulados em rituais para atrair dinheiro devido à sua associação com a Terra.

 Pronto, acho que esses são os principais e indispensavéis. O restante dos instrumentos com o tempo de prática vão se fazendo necessários.

O altar



 Todo wiccano deve ter um altar, mesmo que ele não fique montado o tempo todo. Um altar é um espaço sagrado pro bruxo ou bruxa, onde ele dispões alguns elementos, seja para realizar rituais ou feitiços ou simplismente para representar os deuses e as forças naturais.
 O altar fixo pode ficar em cima de uma mesinha, aparador, pedra no jardim qualquer coisa, e o altar tbm pode ser montado em qualquer superficie, inclusive no chão.
 O altar é algo muito pessoal, sendo o praticante coloca sobre ele o que mais lhe remete ao divino, instrumentos que ele acha serem importantes pra sua devoção bem como outras coisas,mais alguns aspectos devem ser relevados como o fato de o altar dever sempre estar ao norte, pois é de lá que vem toda a energia que circunda o planeta, e em cada uma das extremidades dever ter um representante dos Elementais (algum objeto q represente o elemental, ex. ar pode ser representado por uma pena, terra pode ser representada por terra mesmo ou uma planta, água por uma tigela cheia de água, fogo por uma vela) dos Elementais referente a sua direção: terra ao norte, fogo ao sul, água a oeste e ar a leste. Já o restante do altar deverá ser enfeitado como desejar ou a cerimonia pedir. 
  Algumas pessoas ainda preferem organizar o altar de modo diferente: Dividindo em duas zonas (a direita o deus e a esquerda a deusa) posicionando nessas zonas instrumentos dedicados ao feminino ou masculino, porém mantendo os representantes dos elementos.

Os elementais

 Eu citei no post anterior apenas o nome dos elementais, agora eu vou citar algumas caracteristicas de cada um:

 Terra

Os elementais que vivem no corpo atenuado da Terra, que se denomina éter terrestre, agrupam-se sob a denominação geral de Gnomos. Assim como existem muitos tipos de seres humanos evoluindo através dos elementos físicos objetivos da natureza, também há muitos tipos de gnomos desenvolvendo-se através do corpo etérico da natureza. Os Gnomos são chamados espíritos das árvores, os "homenzinhos velhos da floresta". Eles constroem casas com substâncias que se parecem com o alabastro, o mármore e o cimento, mas a verdadeira natureza desses materiais é desconhecida no plano físico. Afirma-se que cada arbusto, cada
planta, cada flor tem o seu espírito da natureza, que freqüentemente usa o corpo físico da planta como sua habitação. Quando uma planta é cortada e morre, seu elemental morre junto com ela, mas enquanto existir o menor traço de vida nesta planta, ela mostrará a presença do elemental guardião. Os Gnomos sempre se colocaram à disposição dos homens, desde que este nunca use seus poderes de maneira egoísta, para adquirir o poder temporal. Uma atitude desta faz com que estes elementais se voltem com toda sua fúria contra aquele que o decepciona. Os Gnomos são governados por um rei, pelo qual têm um grande amor e
reverência. Seu nome é Gob; daí seus súditos serem frequentemente chamados gobelinos. Os Gnomos casam-se e têm famílias, e as mulheres gnomos são denominadas gnomidas. Alguns usam roupas tecidas do elemento em que vivem. Em outros casos a sua vestimenta é parte deles mesmos e cresce com eles como o pêlo dos animais. Afirma-se que eles sejam muito gulosos e que gastam uma grande parte do tempo comendo; mas ganham o seu alimento através de um trabalho diligente e consciencioso. Muitos são de temperamento avaro e gostam de acumular coisas escondidas longe, em plantas secretas. Existem provas abundantes de que as crianças pequenas frequentemente vêem gnomos, na medida em que seu contato com o lado material ainda não está completo e que elas funcionam, mais ou menos conscientemente, nos mundos invisíveis.
 
 
 Água

Assim como os gnomos estão limitados em sua função aos elementos da terra, as Ondinas, os elementais da água, funcionam na essência invisível e espiritual, chamada éter úmido. A beleza parece ser uma característica comum dos espíritos da água. Onde quer que as encontremos representadas na arte e na escultura, são sempre cheias de graça e simetria. Controlando o elemento água - que sempre foi um símbolo feminino - é natural que os espíritos da água sejam com mais freqüência simbolizados como mulheres. Existem muitos grupos de Ondinas. Algumas habitam cataratas, onde podem ser vistas entre os vapores; outras têm o seu habitat nos pântanos, charcos e brejos. Entretanto outras, ainda, vivem em claros lagos de montanha. Em geral quase todas as ondinas se parecem com seres humanos na forma e tamanho, embora aquelas que habitam os rios e fontes tenham proporções menores. Normalmente elas vivem em cavernas de corais ou nos juncais à margem dos rios oudas praias. As Ondinas servem e amam sua rainha, Necksa. Elas são, antes de tudo, seres emocionais, amigáveis para com a vida humana e que gostam de servir à humanidade. às vezes são representadas cavalgando golfinhos marinhos e outros peixes grandes, e parecem ter um amor especial pelas flores e plantas, às quais servem de maneira tão devotada e inteligente quanto os gnomos. Os antigos
poetas diziam que as canções das ondinas eram ouvidas no vento oeste e que sua vidas eram consagradas ao embelezamento da Terra material.
 
Fogo

O terceiro grupo de elementais são as Salamandras, ou espíritos do fogo, que vivem no éter atenuado e espiritual que é o invisível elemento do fogo. Sem elas, o fogo material não pode existir; um fósforo não pode ser aceso e nem a pólvora produzirá suas chispas. O homem é incapaz de se comunicar adequadamente com as Salamandras, pois elas reduzem a cinzas tudo aquilo que se aproxima. Muitos místicos antigos preparavam incensos especiais de ervas e perfumes, para que quando queimados, pudessem provocar um vapor especial e assim formar em seus rolos a figura de uma Salamandra, podendo assim sentir a sua presença. MuitasSalamandras são vistas na forma de bolas ou línguas de fogo correndo através dos campos ou irrompendo nas casas. Para muitos aqui no Brasil, costuma-se chamar estas aparições de "fogo-santelmo". Mas, a maioria dos místicos afirma que as Salamandras são seres gigantes, imponentes e flamejantes em roupas fluídas, com uma armadura de fogo. Elas são os mais poderosos dos elementais e têm como seu regente um magnifíco espírito flamejante chamado Djim, terrível e aterrorizante na sua aparência. Os antigos sábios sempre foram advertidos para manter-se a distância delas, pois os benefícios derivados do seu estudo freqüentemente não eram proporcionais ao preço que se pagava por eles. Elas possuem especial influência
sobre as criaturas de temperamento ígneo e tempestuoso. Tanto nos animais como no homem, as Salamandras trabalham através da natureza emocional por meio do calor corpóreo, do fígado e da corrente sanguínea. Sem sua assistência, não haveria calor.
 
Ar
 

No último discurso de Sócrates, tal como foi preservado no Fédon de Platão, o filósofo condenado à morte diz: "... acima da Terra, existem seres vivendo em torno do ar tal como nós vivemos em torno do mar, alguns em ilhas que o ar forma junto ao continente; e numa palavra, o ar é usado por eles tal como a água e o mar o são por nós, e o éter é para eles o que o ar é para nós. Mais ainda, o temperamento das suas estações é tal, que eles não tem doenças e vivem muito mais tempo do que nós, e têm visão e audição e todos os outros
sentidos muito mais agudos que os nossos, no mesmo sentido que o ar é mais puro que a água e o éter do que o ar. Eles também têm seus templos e lugares sagrados em que os deuses realmente vivem, e eles escutam suas vozes e recebem suas respostas; são conscientes da sua presença e mantêm conversação com eles, e vêem o Sol, a Lua e as estrelas tal como realmente são. E todas suas bem-aventuranças são desse gênero". Eles são os mais altos de todos os elementais, já que seu elemento nativo é o de mais alta taxa
vibratória. Vivem centenas de anos, freqüentemente atingem um milênio de idade e nunca parecem envelhecer. O líder dos silfos é chamado Paralda e afirma-se que vive na mais alta montanha da Terra. Alguns acreditam que os Silfos se reúnem em torno da mente de um sonhador, dos artistas, dos poetas, e os inspiram com seu conhecimento íntimo das maravilhas e obras da natureza. Seu temperamento é alegre, mutável e excêntrico. A eles atribuem a tarefa de modelar os flocos de neves e arrebanhar as nuvens, tarefa esta que desempenham com a ajuda das Ondinas, que lhes fornecem a umidade.  

Os elementos


  É fundamental todo praticante de magia natural conhcer bem a fundo os elementos, pois estamos em contato e precisamos deles a todo momento em nossa religião.
  Terra, Ar, Fogo, Água. Essas quatro essências são os alicerces do universo. Tudo que existe (ou que tem potencial para existir) contém uma ou mais dessas energias. Os elementos vibram em nosso interior e estão também "espalhados" pelo mundo. Podem ser utilizados para gerar mudanças por meio da Magia. Os quatro elementos foram formados a partir da essência ou poder fundamental - Alhasha (espirito, poder espiritual que permeia o universo).

ELEMENTO: AR 
Direção Cardeal: Leste
Regência: A mente, todos trabalhos psíquicos, intuitivos e mentais, conhecimento, aprendizagem abstrata, teoria, montanhas expostas ao vento, planícies, praias ventosas, picos de montanhas altas, torres altas, vento e respiração
Hora: Amanhecer
Estação: Primavera
Cores: Branco, amarelo vivo, carmim, branco-azulado, pastéis
Signos: Gêmeos, Libra, Aquário
Ferramentas: Athame, espada, turíbulo
Espírito: Silfos, governados pelo Rei Paralda
Nome do Vento: Euros
Sentido: Olfato
Jóia: Topázio
Incenso: Olíbano
Plantas: Olíbano, mirra, prímula, violeta, milefólio
Árvore: Álamo Tremedor
Animais: Pássaros, especialmente a águia e o falcão
Deusas: Aradia, Arianhod, Cardéia, Nuit, Urani
Deuses: Enlil, Khephera, Mercúrio, Shu, Toth


ELEMENTO: FOGO 

Direção Cardeal: Sul
Regência: Energia, espírito, calor, chama, sangue, seiva, vida, vontade, cura e destruição, purificação, fogueiras, lareiras, chamas de velas, sol, desertos, vulcões, erupções, explosões.
Hora: Meio dia
Estação: Verão
Cores: Vermelho, dourado, carmesin, laranja
Signos: Áries, Leão, Sagitário
Ferramentas: Turíbulo, bastão
Espírito: Salamandras dirigidas por seu Rei Djinn
Nome do Vento: Notos
Sentido: Visão
Jóia: Opala
Incenso: Olíbano
Plantas: Hibisco, urtiga, cebola, papoulas vermelhas
Árvore: Amendoeira em flor
Animais: Leões, cobras, cavalos
Deusas: Brígida, Hestia, Pele, Vesta
Deuses: Agni, Héfaistos, Hórus, Prometeus, Vulcano

ELEMENTO: ÁGUA
Direção Cardeal: Oeste
Regência: Emoções, sentimentos, amor, coragem, ousadia, tristeza, oceano, as marés, lagos e lagoas, córregos e rios, nascentes e poços, mente inconsciente, o útero, fertilidade
Hora: Crepúsculo
Estação: Outono
Cores: Azul, verde-azulado, verde, cinza, índigo, preto
Signos: Câncer, Escorpião, Peixes
Espírito: Ondinas, governadas por seu rei Niksa
Nome do Vento: Zéfiros
Sentido: Paladar
Jóia: Água-marinha
Incenso: Mirra
Plantas: Samambaias, lótus, juncos, algas marinhas, todas plantas aquáticas
Árvore: Salgueiro
Animais: Golfinhos, botos, peixes, focas e todas as criatura da água e aves do mar
Deusas: Afrodite, Ísis, Tiamat
Deuses: Dylan, Osíris, Netuno, Poseidon


ELEMENTO: TERRA 

Direção Cardeal: Norte
Regência: O corpo, crescimento, natureza, sustento, ganho material, dinheiro, criatividade, nascimento, morte, silêncio, grutas, campos e bosques, rochas, montanhas, cristais, jóias, metais, ossos e construções
Hora: Meio noite
Estação: Inverno
Cores: Preto, marrom, verde e brando
Signos: Touro, Virgem, Capricórnio
Ferramentas: Pentagrama
Espírito: Gnomos governados por seu Rei Chobb
Nome do Vento: Bóreas, Ophion
Sentido: Tato
Jóia Cristal de rocha, sal
Incenso Benjoim
Plantas Hera, cevada, aveia, milho, arroz, trigo
Árvore Carvalho
Animais Vacas, bois, cobras
Deusas Ceres, Deméter, Gaioa, Mah, Perséfone, Rea, Rhiannon
Deuses Adonis, Athos, Arawn, Cernunnos, Dionisio, Marduk, Pã, Tamuz

ELEMENTO: ETER (ESPÍRITO) 

Direção: Centro e circunferência
Regência: Transcedência, transformação, mudança, todos os lugares e nenhum lugar, dentro e fora, o vazio
Hora: Além do tempo, o tempo é somente um
Estação: A roda que gira
Cores: Transparente, branco, preto
Ferramentas: Caldeirão
Sentido: Audição
Incenso: Almécega
Plantas: Visgo
Árvore: Amendoeira em flor
Animais: Esfinge
Deusas: Ísis, o nome secreto da Deusa
Deuses: Akasha, Iaô, JHVH

 Para mais informações sobre os elementos e a magia elemental eu sugiro que leiam Magia natural de Scott Cunningham, disponivel pra download aqui mesmo no blog.

O amigo de toda bruxa: o Grimório


 Grimório é um diário mágico onde bruxas ou bruxos escrevem práticas pessoais, conhecimentos, receitas, feitiços, sonhos e etc.
Primeiro vamos ao significado literal da palavra, grimório é uma derivação de uma palavra francesa antiga que queria dizer gramática. Algum tempo depois surgiu também a denominação Book of shadows (Livro das sombras), sombras que não devem ser remetidas a trevas ou algo parecido, é apenas um jeito de dizer que ele contém segredos.
  Eu acredito que todo iniciante na arte da wicca deva fazer seu grimório, seja pra ir escrevendo coisas que está aprendendo, significados, rituais e etc. Assim fica mais fácil de sintetizar o conhecimento. Muitas pessoas são cheias de frescuras quanto aos grimórios (um bruxo tem vários durante a vida, eu já tenho uns 5), alguns dizem que só se pode ter um depois de iniciado, outros dizem que tem de ser um livro em branco ou em folha de pergaminho e etc. Tudo baboseira! Você pode ter um grimório a partir do momento que você começa a estudar a wicca e ele pode ser desde um livro personalisado, até uma simples agenda.
  Como esse vai ser o primeiro Grimório de vcs eu sugiro que não se importem muito com a aparência ou tipo de livro ou caderno, mas se quiser personalisar tudo bem. Na primeira página vocês podem fazer uma espécie de folha de rosto com o nome grimório, um simbolo wiccano de sua preferencia, na próxima página vc pode colocar um poema, oração o invocação aos deuses e aí então, começar a dividir seu Grimório de aprendiz por capitulos. Ex: história do xamanismo e da wicca, principios da wicca, leis wiccanas, festivais e etc. Mas isso é uma coisa bem pessoal e vai da forma do aprendizado de cada um. 

Wicca e a reencarnação


 Vocês algum dia tiveram um Dejá vu? Uma sensação de que já conhecia um certo lugar, ou uma pessoa ou mesmo já haviam vivido certa situação? Nós wiccanos não acreditamos em céu ou inferno, óbvio já que não somos cristãos. A última grande crença wiccana é a da Reencarnação. Na Wicca não existe paraíso ou inferno, pois a Morte é considerada apenas uma outra forma de existência. Alguns adeptos acreditam que a alma renasce continuamente, para sempre, enquanto outros defendem que, uma vez aprendidas as lições necessárias, a alma conquista o direito ao repouso eterno num local designado na tradição britânica por “Summerlands” (ou “Terras de Verão”). Outras tradições afirmam ainda que quando morremos ficamos em Summerlands aprendendo lições e "reciclando" nossa essência para voltar a terra. A crença na Reencarnação lida com a questão do karma a um nível muito superior do da Lei Triplice, assegurando que cada pessoa renasce para uma nova vida nas circunstâncias mais adequadas aos atos que praticou na vida anterior.
 Para saber mais sobre o assunto sugiro que leiam Scott Cunningham - Guia essencial da bruxa solitária.