☽★☾ Grimório da Luna

Um blog dedicado a orientação de iniciantes e praticantes solitários da wicca. Blessed be!

As deidades wiccanas


A wicca não tem um panteão de deuses obrigatório, dependendo da sua tradição (explicarei depois sobre isso) ou das suas formas de conceber os deuses, você pode usar o panteão grego, nórdico e etc. Isso só depende de você! Porém a wicca é conhecida por reverenciar o sagrado feminino, ou seja a deusa. O sagrado feminino foi a primeira forma de divindade a ser cultuada pelo homem, demonstrando seu amor pela terra: NOSSA GRANDE MÃE!
Muitos wiccanos ou wiccans, aderem somente a forma de adoração a deusa, o que não é correto já que tudo na vida tem seu par, seu ciclo e consorte da deusa é tão importante quanto ela.
A DEUSA.
Muitos a representam como uma deusa de algum panteão, com referencias simbólicas e outros como a lua (o principal símbolo da deusa). Não há necessidade de preocupação com a escolha de representação da deusa, deixe divagar e imaginar e ela se mostrará a você como ela quer ser vista.
[...] A Deusa é a Mãe universal. É a fonte da fertilidade, da infinita
sabedoria e dos cuidados amorosos. Segundo a Wicca, Ela possui
três aspectos: a Donzela, a Mãe e a Anciã, que simbolizam as Luas
Crescente, Cheia e Minguante. Ela é a um só tempo o campo não
arado, a plena colheita e a Terra dormente, coberta de neve. Ela dá
à luz abundância. Mas, uma vez que a vida é um presente Seu, ela a
empresta com a promessa da morte. Esta não representa as trevas
e o esquecimento, mas sim um repouso pela fadiga da existência
física. É uma existência humana entre duas encarnações.
Uma vez que a Deusa é a natureza, toda a natureza, Ela é tanto a
tentadora como a Velha; o tornado e a chuva fresca de primavera; o
berço e o túmulo. Porém, apesar de Ela ser feita de ambas as naturezas, a Wicca a
reverencia como a doadora da fertilidade, do amor e da abundância,
se bem que seu lado obscuro também é reconhecido. Nós A vemos
na Lua, no silencioso e fluente oceano, e no primeiro verdejar da
primavera. Ela é a incorporação da fertilidade e do amor. A Deusa é conhecida como a Rainha do paraíso, Mãe dos Deuses que
criaram os Deuses, a Fonte Divina, A Matriz Universal, A Grande
Mãe e incontáveis outros títulos.
Muitos símbolos são utilizados na Wicca para honrá-la, como o
caldeirão, a taça, o machado, flores de cinco pétalas, o espelho,
colares, conchas do mar, pérolas, prata, esmeralda... para citar uns
poucos.
Por governar a Terra, o mar e a Lua, muitas e variadas são suas
criaturas. Algumas incluiriam o coelho, o urso, a coruja, o gato, o
cão, o morcego, o ganso, a vaca, o golfinho, o leão, o cavalo, a
corruíra, o escorpião, a aranha e a abelha. Todos são sagrados à
Deusa.
A Deusa já foi representada como uma caçadora correndo com seus
cães de caça; uma deidade celestial caminhando pelos céus com póde estrelas saindo de seus pés; a eterna Mãe com o peso da criança;
a tecelã de nossas vidas e mortes; uma Anciã caminhando sob o luar
buscando os fracos e esquecidos, assim como muitos outros seres.
Mas, independentemente de como A vemos, Ela é onipresente,
imutável, eterna. CUNNINGHAM, Scott. Guia essencial da bruxa solitária. P. 20


O DEUS
 Nosso tão amado e frequentemente vitima de preconceitos deus. Por causa de uma de sua formas, o deus cornífero inspirado em Cernunnos (um deus celta da caça que foi demonizado pela Igreja no começo da cristianização da Europa e que até hoje é visto como o demônio por sua semelhança com um bode).
[...]O Deus tem sido reverenciado há eras. Ele não é a deidade rígida, o
todo-poderoso do cristianismo ou do judaísmo, tampouco um simples
consorte da Deusa. Deus ou Deusa, eles são iguais, unidos.
Vemos o Deus no Sol, brilhando sobre nossas cabeças durante o dia,
nascendo e pondo-se no ciclo infinito que governa nossas vidas. Sem
o Sol, não poderíamos existir; portanto, ele tem sido cultuado como
a fonte de toda a vida, o calor que rompe as sementes adormecidas,
trazendo-as para a vida, e instiga o verdejar da terra após a fria
neve do inverno. O Deus é também gentil com os animais silvestres. Na forma do
Deus Cornudo, Ele é por vezes representado com chifres em Sua
cabeça, que simbolizam Sua conexão com tais bestas. Em tempos
mais antigos, acreditava-se que a caça era uma das atividades
regidas pelo Deus, enquanto a domesticação dos animais era vista
como voltada à Deusa.
Os domínios do Deus incluíam as florestas intocadas pelas mãos
humanas, os desertos escaldantes e as altas montanhas. As
estrelas, por serem na verdade sóis distantes, são por vezes
associadas a Seu domínio.
O ciclo anual do verdejar, amadurecer e da colheita vem há muito
sendo associado ao Sol, daí os festivais Solares da Europa(discutidos mais profundamente no Capítulo 8. Dias de Poder), os
quais são ainda observados na Wicca.
O Deus é a colheita plenamente madura, o vinho inebriante extraído
das uvas, o grão dourado que balança num campo, as maçãs
vicejantes que pendem de galhos verdejantes nas tardes de outono.
Em conjunto com a Deusa, também Ele celebra e rege o sexo. A
Wicca não evita o sexo ou fala sobre ele por palavras sussurradas.
É uma parte da natureza e assim é aceito. Por trazer prazer,
desviar nossa consciência do mundo cotidiano e perpetuar nossa
espécie, é considerado um ato sagrado. O Deus nos imbui
vigorosamente no desejo que assegura o futuro biológico de nossa
espécie.
Símbolos normalmente utilizados para representar ou cultuar o
Deus incluem a espada, chifres, a lança, a vela, ouro, bronze, diamante, a foice, a flecha, o bastão mágico, o tridente, facas e
outros. Criaturas a Ele sagradas incluem o touro, o cão, a cobra, o
peixe, o gamo, o dragão, o lobo, o javali, a águia, o falcão, o tubarão,
os lagartos e muitos mais. Desde sempre, o Deus é o Pai Céu, e a Deusa a Mãe Terra. O Deus é
o céu, da chuva e do relâmpago, que desce sobre a Deusa e une-se a
ela, espalhando as sementes sobre a terra, celebrando a fertilidade
da Deusa.
Ainda hoje, as deidades da Wicca estão firmemente associadas à
fertilidade, mas cada aspecto da existência humana pode ser
associado à Deusa e ao Deus. Podem ser chamados para nos auxiliar
a atravessar as vicissitudes de nossas existências e trazer prazer a
nossas vidas normalmente carentes de espiritualidade.
Isto não significa que quando ocorrerem problemas devamos deixá-
los nas mãos dos deuses. Esta é uma manobra de fuga, ao evitarmos
lidar com os buracos no caminho da vida. Contudo, como Wiccanos
nós chamamos pela Deusa e pelo Deus para limpar nossas mentes eajudar-nos a nos ajudar. A magia é um excelente meio para tanto.
Após sintonizar-se com a Deusa e com o Deus, os Wiccanos pedem
Seu auxílio durante o rito mágico que normalmente se segue.
Além disso, a Deusa e o Deus podem nos ajudar a mudar nossas
vidas. Uma vez que as Deidades são as forças criativas do universo
(e não apenas símbolos), podemos chamá-las para fortalecer nossos
ritos e abençoar nossa magia. Novamente, isto vai contra a maioria
das religiões. O poder está nas mãos de cada praticante, e não com
sacerdotes ou sacerdotisas especializados que celebram tais feitos
para as massas. Isto é o que torna a Wicca um meio de vida
realmente satisfatório. Temos vínculos diretos com as Deidades.
Não precisamos de intermediários - sacerdotes, confessores ou
xamãs. Nós somos os xamãs.  CUNNINGHAM, Scott. Guia essencial da bruxa solitária.


Eu espero que tenha ficado claro, qualquer dúvida mandem-me e-mail ou me add no msn; se ainda estiver um pouco confuso, tudo vai ficar mais claro no próximo post sobre a roda do ano, onde vocês poderão perceber a integração dos deuses com a natureza.
 Lembro ainda que nos livros disponiveis pra download tem especificações melhores para entendimento próprio, pois vocês mesmos devem formular suas idéias sobre o deus e a deusa.

0 comentários: